Google
 
Web calcioseriea.blogspot.com

sábado, março 27, 2010

Rodada traz duelos de Milão contra Roma


Em uma semana esfuziante repleta de Calcio, a Serie A prossegue nestes sábado e domingo com sua 31ª rodada, que terá como ponto alto os confrontos entre as equipes de Milão e Roma, especialmente o 'Match Clou' e anticipo Roma x Inter, que poderá definitivamente reabrir o campeonato ou lançar a Beneamata rumo ao um inédito pentacampeonato.
Assim, atenção às 14h00 (horário de Brasília) para o imperdível duelo entre giallorossi e nerazzurri, que terá transmissão, ao vivo, da ESPN, SporTV2, RAI e TV Esporte Interativo.
Um pouco mais tarde, precisamente às 16h40, será a vez de Palermo x Bologna (com cobertura da ESPN Brasil e RAI, além da SporTV2 em vt a partir das 23h00), outro interessante confronto com o time rosanero defendendo seu posto em Zona Champions contra os felsinei que querem distância da degola.
Já no domingo, com início às 10h00 (novo horário em decorrência do horário de verão italiano!), o difícil vai ser escolher entre Juventus x Atalanta (ESPN Brasil, ESPN HD, RAI e TV Esporte Interativo) e Napoli x Catania (ESPN).
Em Turim, vindo de uma derrota frente ao próprio Napoli, a Vecchia Signora de Zaccheroni tem a obrigação de vencer e deve contar com Diego, Trezeguet e Del Piero (acima - Tanopress), além de Felipe Melo.
Em Nápoles, a equipe de Mazzarri, definitivamente atrás de um posto na próxima Champions League, deverá contar com seu trio de ouro formado por Hamsik, Quagliarella e Lavezzi, enquanto o Catania de Mihajlovic não deve aparecer retrancado, tanto que Ricchiuti, Martinez, Maxi Lopez e Mascara estão previstos para começar jogando.
No mesmo horário, jogam ainda Chievo x Parma; Fiorentina x Udinese; Livorno x Bari; Sampdoria x Cagliari e Siena x Genoa.
Por fim, às 15h40 (sempre horário de Brasília), Milan x Lazio fecham a giornata com cobertura, ao vivo, da ESPN Brasil, ESPN HD e RAI.
Provavelmente sem Abbiati, o time rossonero deve ter o brasileiro Dida no gol e Thiago Silva na zaga, lembrando que Ronaldinho cumprirá suspensão e Mancini e Pato estão contundidos, o que, porém, não deverá alterar o 4-3-3 de Leonardo, que poderá abrir espaço para o jovem Adiyiah no banco.
Na Lazio, Reja tem menos problemas e, com o time ritrovato depois de duas vitórias, deve lançar Rocchi e Floccari no ataque, com os alas Lichtsteiner (acima - Tanopress) e Kolarov completando um centrocampo que ainda deverá ter o ex Brocchi, Ledesma e o criativo Mauri.
Vai ser um final de semana para ficar em casa!

sexta-feira, março 26, 2010

A Itália Nos Mundiais - 1962


Depois de não se classificar para a Copa do Mundo de 1958, disputada na Suécia, a Itália não teve maiores dificuldades para garantir seu posto no Mundial seguinte, vencendo por duas vezes Israel (em Turim a goleada foi de 6 x 0), em um emparelhamento que de complicado só teve o sistema de disputa, vez que os israelenses, antes de enfrentar os italianos (beneficiados pela desistência da Romênia), tiveram que superar os selecionados de Chipre e Etiópia.
Realizada em 1962, a settima edizione do Campeonato Mundial de Futbal foi disputada no Chile sob alguma perplexidade, não só pela pouca tradição do país andino no futebol, mas também pela precária estrutura assim enxergada pelo jornalista Corrado Pizzinelli, então correspondente do periódico La Nazione: "Denutrizione, prostituzione, analfabetismo, alcoolismo, miseria. Sotto questi aspetti il Cile è terribile e Santiago dolorosamente viva, e tanto viva da perdere persino le sua caratteristiche di città anonima. Interi quartieri della città praticano la prostituzione all'aria aperta... Il Cile, sul piano del sottosviluppo, deve essere meso alla pari di tanti paesi dell'Africa e dell'Asia: ma mentre gli abitanti di quei continenti sono dei non progrediti, questi sono dei regrediti".
Tendo tomado conhecimento dessa e de outras pesadas críticas (Antonio Ghirelli, correspondente do Corriere de Sera, por exemplo, comparou o desafio chileno de organizar a Copa do Mundo com a determinação de Mussolini de bombardear Londres!), o povo chileno iniciou uma martellante campagna anti-italiana, que teve seu auge no crucial jogo que ficou conhecido como La Battaglia di Santiago.
Antes, porém, a Itália comandada pela confusa dupla Paolo Mazza e Giovanni Ferrari enfrentou a Alemanha Ocidental na estréia de ambas pelo Grupo 2.
Diante da adversária considerada teoricamente mais difícil, a Itália entrou em campo (ao lado - Guerin Sportivo) com um trio ofensivo formado por Sivori, Altafini e Menichelli, tendo ainda o jovem Rivera (então com apenas 18 anos, na foto mais acima em ação - Panini) como fantasista e Cesare Maldini no comando da defesa, bem como o portiere Lorenzo Buffon sob a meta.
Apesar da formação nitidamente ofensiva, a Itália, assim como sua adversária, pareceu se contentar com o empate o resultado final foi um squallido 0 x 0.
O jogo seguinte dos italianos, 2 dias após o encontro contra os alemães, seria contra os donos da casa, que, não obstante uma técnica apenas modesta, jogavam com grande agonismo sob o comando técnico de Fernando Riera (que posteriormente viria a treinar, dentre outros clubes, os 3 grandes de Portugal).
Adepto da doppia squadra, a comissão técnica italiana mandou a campo contra o Chile um time bastante diverso (abaixo a formação que começou jogando - Guerin Sportivo) daquele que iniciara contra a Alemanha, trocando 6 dos 11 jogadores, inclusive os defensores Maldini e Radice, o meia Rivera e o atacante Sivori, que, dizem alguns, se recusou a entrar em campo diante da grande tensão instalada em Santiago.
Porém, a verdade é que o grupo italiano não vinha se entendendo com a comissão técnica comandada por Mazza e estava rachado, o que veio a comprometer a atuação italiana em um Estadio Nacional lotado por 66.000 expectadores.
Pior! Com menos experiência internacional (os defensores Janich e Tumburus, por exemplo, faziam sua estréia com o selecionado italiano!), a equipe que enfrentou o Chile se mostrou tecnicamente mais limitada e emocionalmente pouco preparada, protagonizando uma partida que ficou tristemente lembrada como La Battaglia di Santiago.
Aliás, os italianos logo caíram nas provocações dos chilenos e já aos 7' ficaram com um homem a menos após a expulsão de Ferrini devido a uma agressão a Landa, com o meia do Torino só saindo de campo após a intervenção dos carabineros (acima, a confusão que se instalou após o lance - Guerin Sportivo).
Com uma atuação desastrosa do árbitro inglês Kenneth Aston, o campo de jogo se transformou em um verdadeiro ringue de luta (ao final do post, o vídeo, em inglês, bem relata os acontecimentos), com direito a um gancho de esquerda de Lionel Sanchez (filho de um antigo campeão chileno de boxe!) em David, posteriormente expulso por um revide no melhor estilo kung-fu.
O chileno Sanchez, por sua vez, mais uma vez contou com a complacência do árbitro Aston para atingir em cheio o nariz do meia azzurro Maschio sem ser penalizado.
Dessa forma, atuando todo o 2º tempo com apenas 9 homens, a Itália acabou sucumbindo ao Chile, que fez 2 gols nos minutos finais e selou o destino italiano na competição.
Isso porque, diante da vitória da Alemanha Ocidental sobre o Chile por 2 x 0 no dia 06 de junho, a Itália foi enfrentar a Suíça no dia seguinte já sem chances de classificação.
Nova revolução na formação, desta vez com direito as estréias do atacante ítalo-brasileiro Sormani (ao lado em duelo com Schneiter - Storie di Calcio) e do meia Bulgarelli (dos 22 italianos que foram ao Chile, apenas o goleiro Albertosi e o meia Trapattoni não entraram em campo!), mas vitória tranquila dos azzurri, que não tiveram dificuldades para fazer 3 x 0 na lanterninha do grupo, com direito a uma doppietta do esordiente Bulgarelli, em seqüência ao gol relâmpago marcado por Mora nos minutos iniciais da partida.
Não obstante as recriminações contra a arbitragem de Aston, o certo é que a Itália mais uma vez deixava uma Copa do Mundo pelas portas do fundo, não conseguindo reviver os tempos áureos da década de 1930.

video

Na Última Vez ...

quinta-feira, março 25, 2010

L'Enigma


Neste sábado o anticipo da 31ª rodada da Serie A 2009/2010 será o imperdível Roma x Inter (na foto ao lado, Chivu, que está de volta ao time nerazzurro, atacado pelo brasileiro Taddei no encontro de 27 de fevereiro de 2008 - New Press), não só o 'Match Clou' da giornata, mas também uma partida crucial para o desfecho do campeonato, vez que a Roma (e também o Milan) estão a apenas 4 pontos da Beneamata, que, por outro lado, em caso de vitória, vai ficar bem perto do inédito pentacampeonato.
Portanto, a imperdível partida é também objeto da 'L'Enigma', que quer saber como vai terminar o cotejo, a ser realizado às 14h00 (hora de Brasília).
E, o primeiro que acertar o resultado final da peleja, somará 01 (um) ponto neste que é o III Desafio Calcio Serie A, que tem como prêmios uma flâmula oficial da Inter (igualzinha a da imagem ao lado, medindo 28 x 20 cm) e um exclusivo certificado do blog e apresenta a seguinte classificação: 1º Leonardo Mafra (7 pts); 2º JP (5); 3º Michel Costa (4); 4º Pai e Raphael Zerlottini (3); 6º Afonso, Lucas e Tiago (2) e 9º Alcindo, Cyntia, Eduardo Carvalho, Hugo Ribeiro, Marra e Sérgio André (1).
Vamos participar!

Marcadores:

quarta-feira, março 24, 2010

Meio de semana reserva mais uma rodada do 'Calcio'


Neste meio de semana será disputada a 30ª rodada da Serie A 2009/2010, a última a ser realizada infrasettimanale.
Portanto, atenção, porque 9 das 10 partidas estão programadas para esta quarta-feira, todos com início às 20h45 na Itália, 16h45 aqui no Brasil (horário de Brasília).
Na televisão, as opções, ao vivo, serão Bologna x Roma (ESPN HD), Internazionale x Livorno (SporTV e RAI) e Parma x Milan (ESPN Brasil e TV Esporte Interativo).
Assim, depois de apenas empatar com o Napoli jogando no San Siro, o Milan terá outro desafio difícil nesta rodada, com Leonardo alterando a equipe para promover as entradas de Ambrosini e Borriello, que deverá ter as companhias dos brasileiros Mancini e Ronaldinho no ataque, até porque o também brasiliano Pato continua indisponibile.
No Parma, Guidolin conseguiu recuperar o búlgaro Bojinov, mas o ataque deve ser formado mesmo é pelo francês Biabiany e pelo argentino Crespo, que é um ex, lembrando que o jovem Paloschi também prossegue em recuperação.
No meio de campo, a equipe crociata deve contar com uma formação bastante interessante, lançando o veloz Valiani ao lado dos criativos Galloppa e Jimenez (mais abaixo, à esquerda - Getty Images) e do brigador Morrone.
Já a Inter tem um compromisso teoricamente bastante fácil contra o lanterna Livorno, naquele que é o confronto do melhor ataque (o da Inter, com 54 gols marcados) contra o pior (o do Livorno, com apenas 20 tentos realizados) de toda a competição.
Sem Sneidjer e Stankovic, a Beneamata deve ter o português Quaresma no undici iniziale, com Pandev e Eto'o mais a frente (Balotelli mais uma vez ficou fora dos convodados de Mourinho) e Maicon (mais acima - Getty Images) formando com Júlio César, Lúcio e Thiago Motta um quarteto todo brasiliano.
No mesmo horário, jogam ainda Atalanta x Cagliari; Bari x Sampdoria; Catania x Fiorentina; Genoa x Palermo; Lazio x Siena e Udinese x Chievo.
Já na quinta-feira, no mesmo horário das 16h45, acontecerá o 'Match Clou' Napoli x Juventus, que terá cobertura, ao vivo, da ESPN Brasil, RAI e TV Esporte Interativo.
Um bom meio de semana para todos!

domingo, março 21, 2010

Memorabilia - Krieziu

Neste último dia 20, faleceu em Roma, aos 92 anos, Naim Krieziu, antigo atacante que fez história com Roma e Napoli na década de 1940 e no início da subseqüente.
Nascido aos 04 de janeiro de 1918 em Gjakovë (também conhecido como Djakovica), na atual região do Kosovo, Kryeziu deixou sua terra natal ainda muito jovem, buscando refúgio em Tirana, onde já residia seu irmão mais velho.
Na Albânia, Krieziu começou a giocare a calcio e aos 15 anos já estava no principal campeonato local, chegando à seleção albanesa aos 16.
De físico brevilíneo (1,70 m e 73 kg), mas extremamente veloz (conta-se que fazia os 100 metros rasos em 11 segundos!), Krieziu conquistou 3 campeonatos albaneses com o SK Tiranë, mais precisamente nos anos de 1934, 1936 e 1937.
Com a ocupação da Albânia pela Itália em 1939, Krieziu resolveu tentar a sorte na Bota, inicialmente com a pretensão de se tornar apenas professor de educação física, mas acabou indicado à Roma e, acompanhado por um amigo, foi ao Campo Testaccio (local onde a Lupa mandou seus jogos de 1929 a 1940) em uma terça-feira e, já no dia seguinte, firmou seu primeiro contrato como profissional.
Dotado de um poderoso arremate com ambos os pés, Krieziu (acima em uma imagem da época - Panini) logo se inseriu no grupo giallorosso e, com o argentino Pantò e com o italiano Amadei (na foto abaixo, Krieziu, com a camisa 7, aparece juntamente com Amadei contra o Milan na temporada 1941/1942 - Panini), formou um ataque que entrou para a história do Calcio.
Afinal, foi com este tridente que a Roma, comandada pelo húngaro Schaffer, conquistou seu primeiro Scudetto no campeonato 1941/1942 (na foto mais abaixo, à direita, o grupo giallorosso, sendo que Krieziu é o primeiro em pé, à esquerda), chegando 2 pontos a frente do Torino que dominaria a Itália nos anos seguintes.
Porém, apesar de toda a qualidade do plantel (que foi inteiramente mantido para a temporada seguinte), circunstâncias extra-campo levaram a Roma a uma apenas modesta 9ª colocação no campeonato subseqüente, com Krieziu não participando sequer da metade das partidas disputadas.
Terminada a Segunda Guerra Mundial, Amadei e Krieziu continuaram comandando o ataque giallorosso, mas a Roma não passou da 15ª colocação no campeonato 1946/1947, o que resultou em inevitáveis mudanças para a stagione seguinte.
Dentre estas, chegaram o técnico húngaro Senkey e o seu conterrâneo Zsengellér, apelidado de Er Professore, o que acabou redundando na saída de Krieziu depois de 89 partidas e 15 gols pela Serie A com a Lupa Capitolina.
Porém, dos 6 gols marcados por Krieziu em sua última temporada com a Roma, 3 foram exatamente contra o Napoli, que acabou pagando cerca de 18 milioni di lire para contar com os serviços do atacante de então 29 anos.
Com o Napoli, Krieziu (ao lado em ação com a maglia azzurra - Guerin Sportivo) foi mais prolífico (realizou 25 gols nos 83 jogos pela Serie A) e viveu um rebaixamento (fruto de uma penalidade por suposta tentativa de corrupção) e o retorno à Serie A, encerrando sua carreira de alto nível ao final do campeonato 1951/1952 com uma honrosa 6ª colocação do time partenopeo.
Depois de uma passagem pelo Turris, na Quarta Serie, Krieziu enveredou pela profissão de treinador e, em 1963, chegou a substituir Foni per una sola partita no comando da Roma.
Posteriormente, Krieziu trabalhou como observador para o clube capitolino e teve o mérito de descobrir ninguém menos que Giuseppe Giannini, Il Principe!
Ultimamente, depois de comandar uma tinturaria por muitos anos, levava a vida ao lado da esposa como um típico aposentado.

Marcadores: , , ,

Na Última Vez ...
eXTReMe Tracker